Manutenções preventiva e corretiva em filtros residenciais
Edição Nº 92 - Maio/Junho de 2018 - Ano XVII
Esta notícia já foi visualizada 4848 vezes.


Manutenções preventiva e corretiva em filtros residenciais



por Cristiane Rubim


O consumidor precisa prestar atenção ao filtro de sua residência para fazer a manutenção preventiva planejada de acordo com o Manual do produto. Tendo esse cuidado, ele evita ter que recorrer a uma manutenção corretiva, que é quando o filtro já apresenta diversos problemas que precisam de uma intervenção maior.

Limpezas externa e interna

Para um purificador de água manter suas características ideais de filtragem e garantir água pura e saudável, a recomendação da IBBL aos seus consumidores é que a manutenção preventiva seja feita, no máximo, a cada seis meses. “Mas de acordo com o uso, a condição da água e as características do local onde o produto está instalado, pode haver a necessidade de ser feita com um tempo menor. Esta manutenção consiste na limpeza externa e interna dos purificadores”, salienta Cristian Oliveira, supervisor de pós-venda da IBBL.
A limpeza externa, segundo ele, é simples e pode ser feita pelo próprio consumidor, com o uso de um pano de microfibra úmido e detergente neutro. “O produto não deve ser limpo com jatos d’água, produtos abrasivos, álcool ou solventes, nem produtos que deixem gosto na água ou que danifiquem as peças plásticas”, ressalta.
Quanto à limpeza interna, recomenda-se fazer com uma Assistência Técnica Autorizada porque ela precisará desmontar o aparelho para fazer a higienização nas partes de contato com a água, como reservatório e torneiras. A empresa indica também que, a cada um ano, seja feita a substituição de mangueiras, conexões e torneiras, que sofrem desgaste com o tempo e uso. “É importante fazer essa troca, pois não há possibilidade de higienizar as mangueiras internamente. Com o passar do tempo, sujidades e micropartículas podem ficar acumuladas nelas, e, por isso, orientamos a substituição”, diz Oliveira.
As torneiras também precisam ser substituídas porque, mesmo realizando a higienização constantemente, não é possível limpá-las por inteiro em áreas e espaços onde uma pessoa não alcança. “Essa questão, somada ao desgaste do uso e às sujeiras do ambiente, como pó, gordura da cozinha e mão humana que está sempre em contato, faz com que ocorra o acúmulo de sujeira”, explica Oliveira. Segundo ele, dependendo do ambiente e da frequência com a qual a limpeza é feita, as torneiras podem durar mais que um ano. Porém, dentro das condições normais de uso e teste ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade